Lugar da delicadeza com o outro e com a própria Liberdade.

Onde se está de acordo com o único modo do humano de ser feliz

Friday, March 27, 2015

O dia em que li Galera



A experiência de abrir um livro de Daniel Galera pode ser comparada a um soco no estômago. Para Machado como definição, o bom do conto. O fato de "O dia em que o cão morreu" ser do gênero romance, não mudou a sensação. 

A capacidade despretensiosa de envolver, a trama casual do casal, depois de Galera, como narrador, me abandonar,  propositadamente, no seu momento conclusivo não evitou a explosão, Sou do tempo de quem morre, mas não diz o final. Que preserva o leitor da entrega do creme do creme.

Não sei, até agora,  se contar o final da história de "O dia em que o cão morreu" pouparia algum leitor desavisado (ou espectador, já que pode ser conferida também em forma de filme). Aposto que não.

No comments: