Lugar da delicadeza com o outro e com a própria Liberdade.

Onde se está de acordo com o único modo do humano de ser feliz

Thursday, March 11, 2010

Amora

Já viu como nasce uma amora? Tal qual um pequeno rato desprovido de sua cor e pelagem. Aos poucos ultrapassa aquele branco pálido, quase transparente. O vermelho lhe aparece quando da metade do processo de amadurecimento. Só então vai depois tornar-se roxa. Intensa e completa em sua força de cor. Poucos se apercebem ao encontrar essa árvore pelo caminho. Uma amoreira tem folhas enormes. Enquanto seu fruto é miúdo. Os galhos são tão finos que não combinam com a idéia que fazemos ao ouvir a expressão "pé de amora". Frágil assim mesmo a especiaria vinda da China, dizem por aí, é ainda reguladora dos hormônios. Imagine tal poder está guardado em segredo ou falta de conhecimento mesmo entre tantas de nós. Apenas com ingesta do delicado fruto e nós diariamente estaríamos livres dos 'desastres ecológicos' tal qual furacões ou tormentas que nos ocorrem vez enquando...

Tem crescido em mim o carinho e admiração por essa fruta. Por sua delicadeza, seu disfarce de nascer assim tão pálida e até feia posso dizer. E ainda por sua força. Sua missão. Por muito que já oferecesse em nos presentear com algum equilíbrio e ainda, dizem os especialistas, tem vinte e duas vezes mais cálcio que o leite. ALém de potássio, magnésio, ferro natural, proteína, fibra, zinco e levedura.

Podiam até reinventá-la como alimento para recém-nascidos e frequentadores do bar de costume. Adoraria erguer copos em sua cor. Lembrando o vinho extraído de uma prima muito distante, batizada uva. São tantos os mistérios da vida. E os da amora ainda tão pouco conhecidos como os que lhe olham pela pimeira vez em sua palidez horrenda não conseguem imaginar a formosura de seu ato final. Da forma para qual foi gerada. E os motivos para ser assim nascida me parecem mais ensinamento da natureza sobre a beleza das coisas...


11 comments:

Dinaldo said...

Belíssimo texto. E o aroma da amora, Tu amara?

Erica Saraiva said...

A cor é ainda mais bonita no fim da tarde, na sombra nostalgica...

Tenho uma adorada amoreira no quintal

:)

Passa lá no crazy feelings hora dessas

georgia_alves@yahoo.com.br said...

Suspeita, amigo? Sempre em amorada rs.

Georgia Alves said...

Prazer ERica. Bom saber de AMoreira bem cuidada :)

Diego Cosmo said...

http://dcosmo.blogspot.com - Constantes reflexões, Rumo a novos pensamentos! "Andarilho"

Geraldo Brito (Dado) said...

Texto legal, blog idem.

rhcastelobranco said...

Olá! Em primeiro lugar queria dizer que adorei seu blog!
Queria também lhe convidar a visitar o meu sobre livros: http://literaturasdomundo.blogspot.com/
E me seguir se gostar!
Livros é tudo!
Voltarei por aqui!
Bjos

Keila Costa said...

Belo texto! Quanto há de revelador nessas suas 'amoras' e em tantas outras amoras, as quais nem nos apercebemos bem...

rhcastelobranco said...

Obrigada pela visita!
Feliz Páscoa para vc!
Bjoss

Dann Carreiro said...

Adorei o texto e o comentário do Dinaldo sobre.


Prazer em conhecer seu blog


Dann Carreiro

ffxiv said...
This comment has been removed by a blog administrator.